Resenha: A Mãe, A Filha e O Espírito da Santa

10 maio 2017




O primeiro anjo deu a ela o poder da palavra. O segundo, o dom do milagre. E o terceiro, que sentiu pena da menina, ofereceu a escolha. Foi aí que danou-se tudo. Inspirado por casos reais de abuso religioso ao redor do mundo, o escritor PJ Pereira volta agora com uma história sombria, violenta e por vezes engraçada do despertar de uma mulher que, conforme relatos, foi anunciada pelos anjos como a nova Messias. A história começa na cidade maranhense de Codó, onde nasce Pilar, filha de uma mãe de santo do terecô. De lá, segue rumo a Brasília, onde conhece o misticismo new age e as igrejas evangélicas, e chega a São Paulo para se tornar a líder espiritual mais poderosa do país.

Edição: 1
Editora: Planeta
ISBN: 9788542209730
Ano: 2017
Páginas: 496

Compre o seu na Amazon



Olá pessoas, hoje eu estou aqui para trazer para vocês a resenha desse Lançamento nacional da Planeta de Livros, que é avassalador, como a sua protagonista diga-se de passagem.
Vocês conhecem aquela música do Milton Nascimento que diz: "Fé cega, faca amolada"? Então, é essa a crítica feita em A Mãe, A Filha e o Espírito da Santa. O PJ Pereira criou uma fábula fabulosa (trocadilho péssimo, mas não resisti) onde nos apresenta Pilar - A messias brasileira. 

A História se inicia no município de Codó, no interior do Maranhão e logo presenciamos ao nascimento da menina que vem ao mundo pelas mãos de uma freira, dentro de um quilombo abandonado, que foi na percepção de sua mãe, filha de uma renomada mãe de santo, uma forma dela honrar aos seus ancestrais. Em seguida nos é explicado como ocorreu a concepção da garota, que diferente de Jesus não veio de uma virgem, mas de um abuso, quer dizer um não três abusos.
Após isso a fama dessa profecia se espalha pela cidade pequena, uns acreditam outros dizem que foi invenção da jovem Maria mãe de Pilar para esconder o erro de uma gravidez tão nova.
E é sobre isso a primeira parte do livro - A Mãe.

Na sequência acompanhamos a Pilar menina partindo com o circo e sua chegada em Brasilia, a cidade modelo, "a terra prometida" berço de oportunidades. Ali a menina cresceu, virou adolescente, fez seus primeiros amigos e assim como "João de Santo Cristo" foi ao inferno pela primeira vez. Sentiu na pele o que é ser mulher, na sociedade brasileira, endureceu seu coração e deu origem a uma nova e implacável Pilar - a Rainha da Justiça, por seus próprios meios - Doa a quem doer!
Essa segunda parte é - A Filha.

E então, vemos Pilar partir no mundo em busca de conhecimento para realizar seus planos e cumprir a sua profecia, a sua missão. E assim ela se torna uma líder espiritual famosa, dominadora e manipuladora, que guia seus seguidores com mãos de ferro. Tem jogo de cintura e muita sagacidade, mas mesmo com tudo isso nas mãos, ela ainda sofre devido ao preconceito e a injustiça. E descobre que para conquistar o que é seu de direito e profecia, assim como Cristo ela precisa abdicar de sua própria felicidade.
A Essa parte foi dada o nome - O Espírito da Santa.


A Mãe, A Filha e O Espírito da Santa é uma obra muito complexa e devido a essa complexidade fica difícil falar sobre ela. Pois, o autor passeia por tantas questões humanas e sociais, que o resenhista (no caso eu) quero falar um pouco de tudo o que vi e bebi dali, mas não conseguiria,sem escrever um texto imenso. Por isso vou optar por ressaltar alguns pontos que mais me chamaram a atenção durante a leitura.

O PJ trouxe à obra um regionalismo tão natural e tão gostoso, que eu como nordestina me senti em casa, mesmo a ambientação da história sendo no Maranhão notei muitas similaridades e adorei conhecer mais da cultura desse meu estado vizinho. 
Outro ponto marcante na história foi a pesquisa profunda e bem perceptível que ele fez para compor o seu enredo, dos trejeitos regionais dos personagens, o que eles consumiam, como eles falavam e a mais bela de todas, na minha opinião, que foi a representação do culto do Terecô, que é uma religião de matiz africana que eu não conhecia, bastante semelhante com o candomblé, mas que tem suas singularidades. 
Porém, é sem dúvida que o ponto alto da trama é a construção e a complexidade de Pilar, uma das protagonistas, mais fodas profundas que eu tive o prazer de ler nos últimos tempos. Ela é uma personagem que você ama e odeia com a mesma intensidade. Dona de uma inteligência e uma sagacidade quase que nos mostram desde cedo algum grau de sociopatia, Pilar se transforma de uma pequena menina carismática a uma mulher que se torna a líder de um culto religioso, onde os seus seguidores cumprem cegamente as suas ordens. Ao longo da obra nós vamos acompanhando o que faz com que essa personagem vá acentuando essas nuances de sua personalidade, ao ponto de se tornar uma espécie de "Charles Manson" nacional. Ao longo da leitura o autor vai travar uma batalha consigo mesmo, pra tentar entender, se ele ama ou odeia a Pilar e isso é um deleite durante a leitura. 

A História é contada em terceira pessoa, e ao longo da narrativa o autor nos faz questionar o que é real e o que é invenção. Seria Pilar realmente o fruto de uma profecia, ou seria isso tudo invenção? Esse é um mistério, que vai deixar tantas dúvidas, quanto se Capitú traiu Bentinho.

A narração do PJ Pereira acontece de uma forma bem dinâmica, afinal de contas a trama é um thriller e quando você mergulha nela a ideia é consumir de uma vez tudo o que você puder, página por página até descobrir qual será o final. 
Tudo na obra é rico, a forma como ela é contada, os personagens, as relações. Nela nós vamos encontrar críticas religiosas, sociais, voltadas a questão racial, a questão de gênero, entre outras coisas, o preconceito. 
Porém, é a crítica religiosa feita pelo PJ Pereira que vai ditar o que o leitor vai achar da obra, pois  A Mãe, A Filha e o Espírito da Santa é um livro que se ama ou se odeia. Ou você concorda com a crítica seca aos abusos religiosos e vai amar isso na leitura, ou você normatiza essa questão, vai vestir a carapuça e vai odiá-la. Simples assim.

Eu amei!

O que vale ressaltar aqui é que a crítica levantada pelo autor não é feita para uma religião e sim para os homens que trabalham em nome daquela religião e se valem disso para manipular a massa. Por isso que o autor não se dignou a utilizar em sua obra uma única religião, mas passeou por entre os principais cultos existentes no país.

Partindo para a parte gráfica da obra, eu amei o trabalho da Editora Planeta, a diagramação do livro está muito agradável, a fonte é bem legível. A Capa do livro está linda e condiz muito com a história. Apesar de grande a obra me proporcionou uma leitura rápida e muito agradável. 

Eu comecei essa leitura com as expectativas lá em cima e fui muito bem correspondida, é sem sombra de dúvidas que eu recomendo a leitura, para todos. O PJ colocou nessas páginas de tudo um pouco, informação, crítica, sensualidade e muita diversão, entre outras coisas, tudo isso regado a Guaraná Jesus - que eu fiquei com muita vontade de experimentar.

Se até aqui eu ainda não te convenci a fazer essa leitura, te convido a assistir a esse Book Trailer maravilhoso, se ele não despertar o seu interesse, então nada mais o fará.


Desde já eu peço desculpas se a resenha não ficou, como vocês esperavam, uma das minhas maiores dificuldade é fazer a resenha de uma obra que eu gostei muito, pois eu tendo a não ser objetiva, mas qualquer dúvida sobre o livro que tenha restado, deixem nos comentários que terei um grande prazer em responder. 

Beijos e não deixem de me contar o que acharam das minhas opiniões sobre o livro.

12 comentários:

  1. Amei sua resenha, amei amei A-M-E-I! Com suas palavras e o entusiasmo consigo perceber que realmente amou o livro e claramente conseguiu passar essa vontade para mim! Estou super curiosa para ler a obra! Obrigada pela dica! Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Olá Kris, tudo bem?
    Que nada menina sua resenha está ótima. Sua animação mostra o quanto a obra foi boa para você. Confesso que não conhecia o livro e que infelizmente a obra não me atraiu. Em outro momento até leria para entender a sua animação pela obra, mas infelizmente ando com uma lista de leitura enorme e pouco tempo. Vou deixar a dica passar, mas continuo acompanhando seu blog para ver suas próximas dicas. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oii, tudo bem?
    To loucaaaaaaaa pra ler esse livro, parece ser incrível! Não sabia que o livro tinha sido inspirado em casos reais, achei bem interessante isso. E relaxa, sua resenha ficou muitooo boa! Espero poder ler logo esse livro. *-*

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Adorei o trocadilho de fábula fabulosa (risos) eu também não teria resistido.
    Confesso que pelo título tinha torcido o nariz e a capa não ajudou muito, já que não chamou a atenção e costumo fazer minhas escolhas de leituras baseadas nelas.
    Mas lendo sua resenha percebi que é uma obra bem complexa e apresenta um desenvolvimento bem interessante de questões sociais que chamou bastante minha atenção. Fico feliz que tenha feito a ressalva e deixado bem claro sobre o objetivo/crítica que a obra faz, que não é em relação a alguma religião mas sim aos homens que trabalham em prol a ela e que se usam para tirar proveito.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha. Não conhecia o livro, e achei muito interessante e com uma temática bem diferente, me interessei muito e já deixei como desejado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Kris, já tinha visto o livro, por conta de seu lançamento e estava a espera de uma resenha dele. Já conheço​o trabalho do autor, e apesar de não ter gostado tanto da minha primeira experiência com ele, acho que este livro será diferente.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  7. Não li o livro ainda, mas também já amei!! Nossa, que história incrível e sua resenha só a tornou mais atrativa ainda! Parabéns! Dica mais do que anotada, espero que a experiência seja tão boa quanto promete.
    Bjss

    ResponderExcluir
  8. Oiie!

    Não conhecia o livro e fiquei bem intrigada pela sua resenha. Fiquei curiosa para ler melhor sobre as críticas que ele faz. Achei o booktrailer um pouco assustador (sou meio medrosa hahahah), mas acredito que não seja o caso do livro, né?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Olá. Eu não conhecia a obra nem o autor, na verdade nunca cheguei a ler algo da editora. Não é o tipo de enredo que me agrada, então não vou anotar a indicação, mas para quem curte parece ser legal. Que bom que a leitura foi boa pra você.

    Beijos,
    Fernanda Goulart

    ResponderExcluir
  10. Um enredo que traz uma crítica sobre questões humanas e sociais, já é o suficiente pra merecer minha atenção.
    Muito saber que uma obra rica como essa é de autoria nacional. Gostei saber que é perceptível a pesquisa realizada pelo autor, isso com certeza faz o diferencial.

    Até mais!!
    Leituras da Paty


    ResponderExcluir
  11. Olá tudo bem
    Nossa o livro parece ser muito bom,pois dá para ver seu entusiasmo na resenha.
    No mundo onde tem ainda muito preconceito religio o autor parece que conseguiu aborda este tema.
    Não sei que é para mim este tipo de livro mais gostei do que a história ira se trata.

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?
    Eu super me arrependi de não ter solicitado esse livro, agora vou ter que comprar, pois todos falam super bem!
    Amei a sua resenha, só aumentou a minha vontade de ler.
    Um beijo.

    ResponderExcluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥