Resenha: Tarântula - Bob Dylan

04 abril 2017




Único livro de ficção de Bob Dylan, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura 2016.

Publicado pela primeira vez em 1971, depois que cópias piratas começaram a circular pelos Estados Unidos, “Tarântula” é uma extensão do trabalho que Bob Dylan apresentou aos fãs ao longo de décadas na forma de canções. É um volume de difícil definição, com uma estrutura que alterna prosa poética e poemas em versos – embora o próprio autor já tenha chamado de romance “tudo aquilo que eu não posso cantar ou que é longo demais para ser um poema”. Dylan escreveu os textos deste livro numa época em que lançava álbuns como Bringing it All Back Home (1965), Highway 61 Revisited (1965) e Blonde on Blonde (1966), e apresenta neles a miríade de situações e personagens urbanas e da cultura popular que habitavam então seu universo artístico. É um lugar em que Aretha Franklin e Truman Capote coexistem com mafiosos, pedintes e motoristas de caminhão. Quem acompanha a obra do autor reconhecerá o tom e os temas de músicas como Desolation Row, Sad-Eyed Lady of the Lowlands e Tombstone Blues. Há décadas fora de catálogo no Brasil – a única edição anterior no país data de 1986 –, a obra sai agora com nova tradução, apresentação original dos editores americanos e prefácio do escritor Valter Hugo Mãe.
Edição: 1
Editora: TusQuets Editores
ISBN: 9788542209365
Ano: 2017
Páginas: 136




Olá leitores hoje eu venho trazer para vocês a resenha desse livro do autor que foi o vencedor do prêmio Nobel de Literatura de 2016. E sabem aqueles livros que você termina de ler e pensa: "Como caralhos que eu vou resenhar isso?"

Por quê?

Porque Tarântula é uma verborragia de ideias que foram jogadas da mente de um jovem gênio da música direto no papel, sem tato, sem muitos cuidados, talvez sem pensar duas vezes. E isso resultou num emaranhado de palavras que olhadas rapidamente parecem em alguns momentos não dizer nada, mas que analisadas a fundo dizem muito.
Dizem muito sobre Bob Dylan & Dizem muito sobre a sua música & Dizem muito sobre a sociedade da época em que foi escrito.
Tarântula é uma prosa poética musicada, meio difícil de definir.
É praticamente uma carta aberta, um manifesto, um protesto contra diversos fatos.
Então se o próprio Dylan definiu sua obra como "tudo aquilo que eu não posso cantar ou que é longo demais para ser um poema" eu poderia passar o dia aqui batendo com a testa na mesa e não conseguiria dar outra definição.

Vale ressaltar que embora o autor tenha dito que a obra é "tudo aquilo que ele não pode cantar" a musicalidade nessa prosa é quase que palpável e logicamente não poderia ser diferente, apesar que muito disso acaba se perdendo na tradução, não por culpa o tradutor logicamente e sim da diferença exorbitante nas línguas. Talvez esse mesmo fato corrobore muito para que em uma primeira leitura alguns dos textos não façam muito sentido e necessitem ser um pouco que ruminados mentalmente para uma maior compreensão.

Enfim, Tarântula apesar de ser um livro breve e curto, não apresenta uma leitura fácil, podendo vir a desagradar ou frustrar algum leitor que espere encontrar outro tipo de escrita. A mim particularmente agradou. A edição da  TusQuets Editores, selo da Planeta de Livros é simples e bela, com uma diagramação muito organizada e que facilita muito a leitura. A revisão da obra está impecável. Eu recomendo a obra, para leitores acostumados com obras mais complexas, também para os fãs do cantor ou para qualquer leitor que se proponha a aventura por dentre páginas de uma escrita muito pouco convencional.

Espero que tenham gostado da resenha,
beijos.

4 comentários:

  1. Olá,
    Confesso que quis bater a cabeça por aqui também ao ler sua resenha e tentar entender o que realmente o Bob quis dizer com toda essa bagunça não tão organizada rsrs
    A priori, não tenho pretensões de ler a obra. Porém, no futuro quero sim conhecer a escrita dele afinal foi ganhador no Nobel!

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  2. Pelo visto ficou bem a cara do Bob Dylan. O leitor não deve esperar um livro com início, meio e fim, mas sim com ideias e opiniões. Tenho certeza que para os fãs e mesmo os não tão fãs deve ser um leitura bem interessante.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Então. Realmente.... Difícil resenhar uma obra dessas hein?!
    Nao me bata, mas não sou fã de Dylan e se conheço alguma musica, conheço de ouvido. Sem ligar o nome a pessoa.
    Pra mim a leitura da obra talvez não faça muito sentido por não conhecer um pouco do mesmo, mas vale conhecer e guardar a indicação.
    Curti bastante a sua resenha. Você conseguiu!! :D

    beijiho!!

    Ana
    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá...adorei a resenha, acho que obras do tipo são difíceis de resenhar.
    Eu acompanhei o lançamento dessa obra e pela capa poderia jurar que se tratava de uma biografia e esse mês fiquei tentada em solicitar para a editora a biografia do Foo Fighters, mas acredito que teria o mesmo tipo de problema na hora de confeccionar a resenha.

    Abraços e parabéns!

    ResponderExcluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥