Resenha: Paganus (Saga As Filhas de Dana - Livro 1) de Simone O. Marques

21 dezembro 2016





Edição: 1
Editora: Editora Alfabeto
ISBN: 9788598307282
Ano: 2015
Páginas: 320
Sinopse:Portugal, 1673. Duas mulheres celtas e um bebê recém-nascido enfrentam a perseguição da Igreja contra hereges pagãos. Obrigadas a deixar sua aldeia, ajudadas por um jovem cristão, partem em busca de um lugar onde possam cultuar seus deuses livremente. Em meio a sua fuga descobrem que a Grande Mãe tem uma missão para eles e que os levará a lugares inesperados e a uma desconhecida Terra Nova. 




Resenha

Oieee gente ♥
Paganus para mim foi uma daquelas surpresas que acontecem aos 45 minutos do segundo tempo e salvam tudo, no caso aqui, o meu relacionamento com a literatura nacional em 2016, porque quem acompanha o blog e leu minhas ultimas resenhas, tem ciência de que eu vim de leituras nacionais que me decepcionaram muito. Mas, Paganus veio como um sopro de ar fresco e me resgatou dessa ressaca nacional.

Paganus é um romance histórico que nos conta a história de uma linhagem de mulheres celtas que resistem aos perigos da inquisição e tentam manter vivas as tradições das suas ancestrais.
A Narrativa se inicia na casa de uma nobre família portuguesa, ali somos apresentados a dois importantes personagens dessa história ainda crianças, Diogo e Douglas, são dois gêmeos de aparência idêntica, mas eles só têm isso mesmo de parecido. Enquanto Diogo é doce e amável, Douglas é mesquinho perverso e chega a beirar a psicopatia e essas diferenças só são enfatizadas enquanto eles crescem. Douglas se torna cada vez mais arrogante, enquanto Diogo, influenciado pela tia, pensa em se casar, gosta de festas e de cortejar garotas, algo que não agrada o seu pai, que após o evento marcante que aconteceu durante a infância dos meninos e é retratado no início do livro, tornou-se um homem seco e que considera o amor como uma fraqueza.
Sendo assim, no intuito de afastar Diogo dos cuidados da tia, ele aceita um título e torna-se Dom Couto em nome da igreja e parte com os filhos para a província de Trás-os-Montes, onde deverá caçar e dizimar as bruxas e os hereges-pagãos.
É lá que nós conheceremos a jovem Adele e sua mãe Gleyde, duas mulheres pagãs e duas das poucas restantes da forte linhagem das filhas de Dana. E é a partir do momento em que eles se encontram que a história começa a se desenrolar de fato.

Uma das principais coisas que me ganharam na escrita da Simone foi o respeito dela com a cultura Celta e Pagã. Pois, nós pagãos (quem não viu na minha bio que eu sou pagã volta duas casas) estamos, infelizmente, acostumados a termos nossa religião retratada em obras literárias como fantasia e/ou muitas vezes demonizada, mas nas obras da Simone, não.
Outro ponto crucial, na minha paixão pelo livro foi o desenvolvimento desses personagens, cada um deles, desde os mocinhos até os vilões, foram estruturados de uma maneira humana e real, com características boas e más, que se alternam modulando o caráter de cada um deles.
Os personagens em quem melhor podemos observar essa grandeza de construção, são os gêmeos, pois apesar a semelhança física são extremamente diferentes e precisam encarnar essas diferenças nos momentos que precisam representar um ao outro ao longo da obra. Quem também nos permite ver esse tom da construção dos personagens são as filhas de Dana, cada uma com suas características pessoais mais marcantes, porém tendo a base de mulheres que pertencem a uma linhagem matriarcal, são donas de suas próprias vontades e vêem os homens como semelhantes ou subalternos (dependendo da personagem) nunca como um superior.

A escrita da Simone mescla Clareza e sutileza. Tudo no livro é muito bem explicado, sucinto e bem amarrado, não há rodeios e nem dramas desnecessários. A Narrativa é fluida e cíclica como as fases da lua. Os romances crescem de forma gradual e é maravilhoso acompanhar o amadurecimento da relação entre os personagens. E pelo que pude perceber à cada volume uma geração dessa linhagem terá o protagonismo.
O embasamento histórico da trama é maravilhoso, desde as referências a inquisição, até a imigração ao Brasil nas caravelas. A autora ainda retrata a escravidão e a maneira perversa que os europeus tratavam os africanos e acredito que isso será mais reforçado nos próximos volumes.
A ambientação do livro é um amor à parte, os locais são tão bem descritos que nos leva a imagina-los como se realmente os víssemos.
A linguagem utilizada para a construção da narrativa, também está excelente, pois faz juz a uma trama que se desenvolve em Portugal em meados de 1600, mas sem ser enfadonha devido ao peso e as diferenças linguísticas em relação ao português dos dois países. Tornando a leitura mais agradável do que se ela houvesse optado pelo português de Portugal e mais realista do que se ela houvesse optado pelo nosso português moderno.

A Parte gráfica do livro é um primor. A capa, é maravilhosa e faz alusão a uma das protagonistas, embora eu tenha visto críticas ao vestido da modelo ser moderno, acredito que isso seja um mero detalhe (ao contrário do que muita gente pensa, não é fácil encontrar uma fotografia com um figurino na década exata a da narrativa e com as mesmas características, sejamos compreensivos).A diagramação vem muito bonita, com detalhes emoldurando cada página, porém esses não interferem na leitura, a fonte utilizada é serifada (algo que eu adoro) e as páginas são amareladas, pontos que para mim facilitam bastante a leitura.

Portanto, pelo que puderam ver, eu só tenho elogios à obra e digo mais, é difícil expressar em palavras o tanto que eu gostei e me emocionei enquanto lia. Ler Paganus, foi uma experiência maravilhosa, em alguns momentos me senti dentro da história, como se de fato eu visitasse o passado. Me emocionei, sorri e chorei,em alguns momentos senti tantas emoções que era como se meu corpo vibrasse. Então, SIM! É lógico que eu recomendo a leitura para todos os públicos, e espero que vocês gostem tanto quanto eu gostei.

Visite Simone O. Marques e garanta o seu exemplar.

ALERTA DE GATILHO EMOCIONAL:A Obra relata episódios de estupro, a cena não é explicita, mas acho que vale a pena avisar aqui.

Espero que vocês tenham curtido a resenha, vocês já leram alguma obra da Simone, já a conheciam? Se leram, gostaram? Se não, tem interesse em ler alguma? Não deixem de me contar tudo nos comentários.

Beijooos

5 comentários:

  1. Olá!
    Apesar de achar a premissa muito interessante, não sei se eu leria. Me causou certo interesse, confesso, mas alguns pontos me deixaram com uma leve sensação de que seria um pouco maçante para mim. Ainda assim, diante da sua posição positiva, acho que é uma obra que merece uma chance. Nossos autores nacionais merecem todo o apoio.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiee
      Pra mim a leitura, não tem nada que a torne massante, mas realmente só quem pode falar pelo seu gosto é você. Obrigada pela visita, beijoos

      Excluir
  2. Olá, tudo bem?
    Nossa não conhecia a autora ou a obra e confesso que a premissa desse livro me deixou fascinada. Parece ser uma obra bem diferente das que estamos acostumados a ler, e ser de uma autora nacional só aumenta a beleza da obra. Vou anotar a sua dica de leitura. Parabéns pela resenha e sucesso para a autora. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabi,
      Olha de acordo com a vasta experiência de leitura nacional que eu tenho, eu posso dizer que sim o livro é realmente bem diferente do que habitualmente publicam, não só pela temática que é completamente diferente, quanto pelo tratamento dado a obra que foi bem refinada antes de ser publicada.
      Acredito que você gostaria da leitura.
      Beijooos

      Excluir
  3. Mas essa sinopse já me deu até um arrepio na espinha, sinceramente. Confesso que de primeira o livro não me atraiu não, mas agora eu quero muito conhecer mais do enredo.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥