Resenha: À Sombra da Figueira - Vaddey Ratner

09 julho 2016



Edição: 1
ISBN: 9788581302539
Ano: 2015
Páginas: 360

Tradutor: Sandra Martha Dolinsky
Sinopse:
Para a menina Raami, de sete anos de idade, o fim abrupto e trágico da infância começa com os passos de seu pai voltando para casa na madrugada, trazendo detalhes da guerra civil que invadiu as ruas de Phnom Pehn, a capital do Cambójia. Logo o mundo privilegiado da família real é misturado ao caos da revolução e ao êxodus forçado. Nos quatro anos seguintes, enquanto o Khmer Rouge tenta tirar da população qualquer traço de sua identidade individual, Raami se apega aos únicos vestígios de sua infância — lendas míticas e poemas contados a ela pelo seu pai. Em um clima de violência sistemática em que a lembrança é uma doença e a justificativa para execução sumária, Raami luta pela sua sobrevivência improvável. Apoiada no dom extraordinário da autora pela linguagem, Sombras da Figueira é uma história brilhantemente intricada sobre a resiliência humana.
Finalista do Prêmio PEN Hemingway este livro vai levá-lo às profundezas do desespero e mostrar horrores abomináveis. Vai revelar uma cultura maravilhosamente rica, lutando para sobreviver através de pequenos gestos,. Vai fazer com que jamais sejam esquecidas as atrocidades cometidas pelo regime Khmer Rouge. Vai lhe encher de esperança e confirmar o poder que há ao se contar uma história de nos elevar e nos ajudar não somente a sobreviver, mas à transcendência do sofrimento, da crueldade e da perda.


Resenha

Olá leitores, 
Hoje eu trago pra vocês a resenha de um livro lindo, emocionante e brutal, por isso o meu resumo da história será breve e eu seguirei para as minhas impressões sobre a leitura que prometem ser intensas e inflamadas.

À Sombra da Figueira é uma obra que mescla realidade e ficção. Pois a Vaddey nos conta a história da sua infância, quando de repente seus dias de criança que eram de amor, cuidados e paz familiar, deu lugar à dias de dor e sofrimento em meio a uma das piores ditaduras já conhecidas. E como o tempo (e talvez os traumas também) lhe roubaram um pouco das memórias, ela optou por acrescentar alguns elementos fictícios para que essa leitura fosse melhor absorvida pelos leitores e mudar os nomes dos personagens, preservando as pessoas de verdade. O único personagem que está com o nome real da história é o seu pai, a quem essa obra foi dedicada.

A história é narrada em primeira pessoa por Raami, uma pequena garota do Camboja, que sobreviveu e traz em si as sequelas de uma poliomielite, mas que aos 7 anos seria uma menina inteiramente normal se não fizesse parte da família real. Até que um dia vê sua paz roubada, pelas tropas de um exercito jovem, que se empenha em esvaziar completamente toda a cidade e encaminhar a população, como se fosse gado, para as áreas rurais. Era o inicio da ditadura de Pol Pot, que visava tornar o país num modelo comunista agrário e não pensou duas vezes em dizimar um terço da população em prol disso. E uma vez que a família de Raami é a representante da monarquia e de tudo o que essa "organização" mais repudia, eles estão sem dúvidas na lista marcada para sofrer.

Sabe aquelas leituras que quando a gente vira a ultima página e fecha o livro sente como se houvesse levado uma paulada na cabeça? Não porque a leitura tenha sido ruim, muito pelo contrário. Porque ela foi tão boa que te transportou para dentro da história e te fez partilhar das emoções dos personagens. Foi assim que me senti ao ler À Sombra da Figueira. Eu adiei essa leitura durante alguns dias, porque sentia que não estava no clima de ler um livro tão tenso/complexo. E eu estava certa. Essa não é uma leitura que eu recomende para alguém que ande em crise, numa bad, pois ela é capaz de nos dar um choque tão intenso de uma realidade tão cruel, que no fim eu desejei muito que a obra fosse apenas mais uma ficção triste e não um relato da crueldade humana.  

A perca, a dor e toda a desilusão presentes nessa história são muito reais e ainda assim ela é poética, porque foi isso que o pai de Raami/Vaddey deixou. Sem dúvidas que ela herdou isso do pai, ela é doce, poética e sabe muito bem como contar uma história. E essa história, a sua história, nos leva a refletir profundamente sobre várias coisas, mas principalmente sobre a natureza humana. Pois, não só durante esse mas em vários momentos fatídicos da história da humanidade, o homem foi capaz de pisar a vida do seu semelhante, sem pestanejar, na intenção de alcançar os seus objetivos. Nós vemos nas páginas de À Sombra da Figueira o quanto o poder cega e o quão uma ditadura é bárbara e devastadora, independente do posicionamento politico dos seus ditadores e nós temos exemplos o suficiente para saber disso.

Enfim, À Sombra da Figueira é uma obra muito importante "Para que não se esqueça. Para que nunca mais aconteça." e também para que leve o leitor a refletir que o mal, não pode ser combatido com o mal, um erro não pode ser corrigido de forma errada, ou pouca coisa mudará!

A Edição da Geração Editorial está maravilhosa, a capa do livro é linda, representa muito bem a história, é poética e marcante assim como a escrita da Vaddey. A Diagramação também está excelente, não notei erros de revisão ao longo da leitura. Pra mim o livro levou não cinco mais dez estrelas em todos os aspectos. Recomendo a leitura a todos, acredito que esse livro tem muito a ensinar a todos nós, mas recomendo principalmente aos aficionados por história, sociologia e politica, pois a obra é capaz de nos mostrar nuances da nossa história mundial moderna, que nós nem ousamos imaginar. Só que estejam preparados porque essa realidade é chocante.

Espero que vocês tenham curtido a minha resenha, se vocês já conhecem, ou querem conhecer o livro, deixe aqui seu comentário. Beijoos

13 comentários:

  1. Olá Kris,
    Quanta intensidade durante a sua narrativa, e o fato de ser boa parte um relato verídico, me deixa ainda mais pensativa, por toda a complexidade que ele deve expressar. Gosto de leitura do gênero, mas geralmente ou na maioria das vezes, são obras ficcionais. Fiquei bem curiosa sobre a leitura, sinto que sairei dela com o coração em prantos. e com a sensação de "paulada na cabeça" Adorei a dica.
    Bjim!
    Tammy
    Livreando | Facebook

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Também acho essa edição maravilhosa. Eu já li esse livro e concordo plenamente com suas considerações. É uma obra para se refletir mesmo, ainda mais diante de tantas emoções impactantes. Esse relato diante da crueldade humana não poderia ser mais perturbador também, mas é uma leitura mais do que recomendada. Mas é como você comentou: tem que ter o momento certo e não para quem está na pior;

    Beijos, Fer
    http://www.segredosemlivros.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá Kris, tudo bem?
    Já tinha ouvido falar desse livro, mas não tinha me interessado... Depois de ler a sua resenha percebe que a leitura desse livro irá me agradar e não só pela temática dele (mas pela complexidade que ele apresenta). Como você comentou, o fato do livro te transportar para dentro da história possibilitando o leitor se colocar no lugar do personagem deve ser genial!
    Amei sua resenha e não vejo a hora de ler.

    Beijos,
    Luan - Carpe Diem Literário.

    ResponderExcluir
  4. Oiee ^^
    Eu tenho muita curiosidade de ler esse livro, lembro de ter visto várias resenhas bem positivas sobre ele antes da sua, e já estava animada por conta disso. Fico feliz em saber que gostou tanto da obra, parece ser uma história muito emocionante e triste, e eu, como apaixonada por história e sociologia, não poderia perder, né?
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  5. Olá Kris,
    Acho a capa desse livro incrível e tenho muita curiosidade de lê-lo para ontem.
    Adorei saber que você foi transportada para dentro da história e que os sentimentos apresentados são reais. Parece que é como se o leitor estivesse vivendo aquele momento com os protagonistas.
    Fiquei anestesiada com a parte da sua resenha que você diz que o livro é uma obra importante para "Para que não se esqueça. Para que nunca mais aconteça."
    Mal posso esperar para ter meu exemplar em mãos.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  6. Oiii!!

    Que resenha mais maravilhosa gente! Eu realmente não li essa obra por não estar no clima de ler ainda... amo livros que nos faz pensar e refletir sobre nossas vidas e tenho certeza que com esse livro só sairia ganhando.
    A dica já foi anotada!
    Gostei muito muito da resenha! Parabéns.

    Parabéns

    ResponderExcluir
  7. Olá, Kris

    Gostei do fato da obra ser parte autobiografia e parte ficcional. Livros que mostram toda a perversidade do ser humano não costumam me agradar. Não gosto de ler livros sobre guerras e afins, me sinto triste, sabe? Mas é inegável o valor dessa história. Posso não ter lido, mas posso imaginar o sentimento que o leitor tem ao fazer a leitura dessa obra. Livros que levam o leitor a refletir são sempre grandes leituras.
    A capa está realmente linda!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Compraria esse livro apenas pela capa!
    Puxa vida, que profundidade na sua resenha... impactante!
    Gosto de leituras poéticas, misturada à ficção, sempre nos ensinando sobre nossa própria natureza!
    Parabéns pela resenha e pela escrita, gostei muito e vou anotar sua dica. Realmente me surpreendeu.
    Grande abraço, Filipe Penasso - Pena Pensante

    ResponderExcluir
  9. Olá!! :)

    Nao conhecia mas ate fiquei interessado... :) Gostei da premissa e do genero!! :) Quero ler mesmo! :)

    Bem, eu fico contente que tenhas gostado e que mexa com sentimentos assim... E que, claro, tenha mostrado que o mal nao se combate com mais mal.... :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Kris!
    Parabéns pela resenha, ficou ótima! Não conhecia o livro mas fiquei super interessada e posso imaginar a sensação quando se termina de ler, gera uma angustia muito grande, certo? Dica anotada! Bjo
    http://colecionandoromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Nunca tinha ouvido falar da época retratada no livro, também, não sou muito ligada em história. Quando li, eu só ia enlouquecendo cada vez mais, o livro é denso e as coisas só pioram, e pioram de novo, e eu não aguentava mais ver o sofrimento imposto às pessoas. considero qualquer ditadura uma coisa horrorosa, mas esse modelo comunista agrário com certeza consegue ser ainda pior! Saber que é baseado na história da autora faz doer ainda mais.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia o livro, e pela sinopse não teria me interessado por ele: foi sua resenha que me conquistou completamente. Com certeza vou buscar a leitura.
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
  13. Olá Kris!
    Eu já tinha ouvido falar desse livro, mas não me aprofundei em relação ao que ele dizia. Fico feliz em saber que tenha sido uma leitura maravilhosa para você, gostaria muito de ter a oportunidade de ler esse livro. Porém vou guardar a sua dica e ler em um momento em que esteja calma e com o coração preparado para lidar com tudo o que essa leitura pode despertar em mim. Obrigada pela dica.
    Beijos.

    Um Rascunho a Mais

    ResponderExcluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥