Bela, Recatada e do Lar - Não Sou Obrigada!

21 abril 2016

Acredito que todo mundo já deve ter visto a ultima da revista Veja, que tentando criar tendência (lê-se propagando machismo) saiu com a Brilhante Reportagem ostentando na capa a imagem da esposa do vice presidente Michel Temer e intitulada, no pior estilo "Anos 50", de Bela, Recatada e Do Lar
Deixando bem claro que: Não há problema nenhum em ser Bela, Recatada e do Lar, da mesma maneira que não há problema nenhum em não ser nada disso, não há problema nenhum em ser completamente o oposto disso. 
O problema está em um meio de comunicação de massa, valer-se de um modelo de mídia manipulativo para tentar induzir/impor a maneira como as mulheres devem se portar e consequentemente o modelo feminino a ser combatido. Tentando assim, firmar o modelo machista que nós MULHERES a tão duras penas, viemos ao longo dos anos tentando desconstruir. 
 E é por isso que hoje nós trazemos essa postagem, criada com a participação dxs amigxs do Facebook (♥), onde eu trago o exemplo de várias personagens que não são #BelasRecatadasedoLar, e que nos mostram como a mulher pode ser o quem ela quiser. 
Foram tantos nomes que surgiram, tantas indicações de personagens que vocês podem conhecer e se Inspirar que infelizmente não conseguirei citar todos ou a postagem seria muito extensa, mas quem sabe esse post seja apenas o primeiro de vários com a mesma finalidade.

Rê Bordosa é uma personagem criada pelo cartunista Angeli, e que brilhou nas páginas da extinta revista Chiclete com Banana. Rê é uma mulher de aproximadamente 40 anos, alcoólatra, ninfomaníaca, desbocada e desprovida de bom senso, cujas histórias giram em torno de suas manias e desejos. Como a Personagem fez sucesso ao ponto de eclipsar o autor, esse resolveu matá-la. Mas volta e meia ela retorna a mídia

Maria Capitolina Santiago ou Capitu como é mais conhecida. Personagem imortalizada por Machado de Assis em Dom Casmurro. Mulher de aparência marcante e personalidade forte e envolvente que fugia completamente aos padrões da época, como fica fácil de perceber numa das frases que a imortalizou "olhos de cigana oblíqua e dissimulada".  Se traiu ou não traiu, disso ninguém tem certeza, o que não se pode contestar é que Capitu é uma personagem consagrada da Literatura Brasileira.

Lyeth e Irez, personagens do livro de estréia da autora Cassandra Rios - A Volúpia do Pecado - Nele as protagonistas buscam no dicionário um termo que defina seu comportamento, pois elas próprias questionavam a normalidade de um amor diferente dos padrões de sua época.

Aurélia Camargo, Personagem imortalizada por José de Alencar no romance Senhora. Uma mulher diferente das mulheres da época, educada, delicada, corajosa, elegante, informada, inteligente, experiente e vingativa. Destacava-se não só por sua beleza, mas pela sua maneira de agir e pensar. Opunha-se as regras da sociedade que não lhe agradavam e vingou-se de um pretendente ambicioso que a preteriu pois na época em que se relacionaram ela não tinha posses.


Morte, Delírio, Desejo e Desespero personagens do britânico Neil Gaiman, famoso pela HQ Sandman e também pai de várias personagens femininas fortes, densas e que não se encaixam à padrões.
Morte é a segunda mais velha dos perpétuos, pálida, gótica e estranhamente feliz. Encontra-se com cada mortal duas vezes em sua vida: no nascimento, e na morte e está fadada a ser o último ser a existir.
Delírio é a mais nova dos perpétuos, sua aparência muda constantemente, e a forma e contorno de sua sombra não têm necessariamente relação com a do corpo que esteja usando. Diz-se que ela cheira a suor, vinho azedo, noites tardias e couro velho, tem um olho azul e o outro verde, salpicados de estrelas, é desta forma que ela vê o mundo pela sua própria visão.
Desejo é não tem sexo definido, as vezes apresenta-se como uma mulher e outras vezes como homem, mas a sua beleza é sempre extrema e irreprodutível, exala um odor sutil de pêssegos e sempre projeta duas sombras. Sua aparência é completamente atraente e elx a usa geralmente para beneficio próprio, pois sua personalidade é cruel.
Desespero é a gêmea de desejo é obesa, tem a pele pálida e escamada e cabelos negros curtos, não usa roupas e gosta de brincar com ratos. Na mão esquerda usa um anel com um gancho engastado, que usa para rasgar a própria pele. Sua aparência é altamente repelente, pois leva a crer que ela seja bem diferente da  sua real personalidade que mostra-se completamente oposta a da irmã Desejo, essa que muitas vezes chega até mesmo a manipula-la.

"Viviane, das Brumas de Avalon (Marion Zimmer Bradley). Meu modelo de feminismo e contestação - o da vida real, onde se faz o que tem que ser feito." - Érica Araújo Castro

Lisbeth Salander Personagem criada pelo jornalista e romancista Stieg Larsson, anos após presenciar um estupro coletivo e não poder ajudar a vítima, algo ao qual ele nunca se perdoou.
Lisbeth é descrita como "uma pálida e anoréxica, jovem, com cabelo curto e bagunçado, e de piercings no nariz e na sobrancelha.", sua infância conturbada e traumática fez dela uma mulher fechada e misteriosa, tanto quanto uma guerreira e empoderada investigadora.

Brienne de Tarth, personagem das Crônicas de Gelo e Fogo,  única filha e herdeira de Selwyn Tarth. É uma guerreira forte e hábil, que deseja se tornar um cavaleiro, bastante julgada por não encaixar-se na sociedade da época, por manter um comportamento tido como fechado e masculino. Assim como sua aparência que é descrita na série como grande e forte demais para uma mulher, ao ponto de superar também o tamanho de alguns homens.

Garnet, de Steven Universe. Mulher negra (pelo menos aparenta ser, já que não é humana), fusão de duas mulheres lésbicas. Ela é forte e a líder do grupo." - Thaísa Lixa

Lara croft, protagonista da franquia iniciada por jogos de aventura que anos depois recebeu sua versão de cinema, protagonizada pela atriz Angelina Jolie. A personagem é uma arqueóloga e inglesa, bastante autossuficiente, dita como atraente, inteligente e de porte atlético, que se aventura ao redor do mundo à procura de valiosos artefatos históricos.

Jéssica Jones, uma das personagens de quadrinhos mais representativas do momento e que recentemente ganhou uma série na Netflix. Jéssica é uma personagem que mostra-se não só como uma mulher empoderada, mais como também uma heroína humana e capaz de se reerguer das próprias cinzas, visto que ela própria foi vítima de um relacionamento abusivo, tanto física quanto psicologicamente.
"Apesar de ser heroína, foge do padrão tanto de beleza, quanto de roupas. Faz porque quer, não por que é obrigada, bebe, fuma, transa com quem quiser e segue sua própria vida, porque "não é obrigada a nada" - Luísa Lima

Barbara Gordon Personagem da DC Comics que atuou como a Batgirl de 1967 até 1988, quando passou a ser conhecida por Oráculo, manto que ela mantém até hoje.

Aomame, Personagem do autor Haruki Murakami no livro 1q84, que trabalhava como assassina profissional de abusadores e assassinos de mulheres, contratada pela dona de um abrigo para mulheres.


Sempre adorei a Radical Chic de Miguel Paiva. Ela já era muito pra "frentex" quando foi criada: dormia com quem queria, era sedutora e usava isso em seu favor. Como todas nós, ela era um ser político, que lutava por seu espaço como mulher, mas também queria um amor (caía fora assim que via que não valia à pena). Confusa, paradoxal, auto analítica, consciente e muito, muito à frente do seu tempo. - Telma Myrbach


Então minha gente, essas são apenas algumas das várias personagens que foram citadas e das milhares existentes. Acredito que muitos de vocês já conheceram algumas das personagens, e se não as conhecem os convido a conhece-las.
Vale ressaltar para os responsáveis pela revista veja e até mesmo para os leitores dessa revista ou de outras que seguem esse mesmo gênero, que os melhores meios de comunicação são aqueles que expandem os nossos horizontes e nunca de maneira alguma, os que tentam nos delimitar, separar, ou nos induzir numa maneira de pensar.

Se Você que leu a nossa matéria se identificou com o post, curte, comenta e compartilha com os amigos. Se conhecer mais algumas personagens que se encaixem no contexto da postagem, não deixem de menciona-las  nos comentários. E se você é mulher não esqueça:


Toda Mulher é Livre Para Ser Quem Ela Quiser!


Beijos!

9 comentários:

  1. SENSACIONAL!
    Não há outra palavra para definir o que penso dessa sua colcha de retalhos, Kris!
    Sua escrita é rica... sua capacidade de alinhavar ideias é deliciosa e o resultado?
    SENSACIONAL!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras Telminha <3
      Obrigada pela presença por aqui.

      Excluir
  2. Eu li a matéria, e fiquei sem palavras para definir tamanha repulsa por aquilo,que sequer pode ser chamado de jornalismo.
    Como você citou, as mulheres vêm ao longo dos anos tentando desconstruir o machismo que está impregnado nessa sociedade que já nos trata como seres inferiores, onde a objetificação da mulher é notório em propagandas aos montes nas TVs e revistas. O problema não é a mulher do Temer "ser recatada, do lar,"a questão é que ali deixa claro, mesmo que nas entrelinhas que esse é o modelo de mulher que é aceitável na política, sempre como a esposa de algum líder, nunca a frente da liderança.
    Ótimo post Kris.

    www.detudopouco.com.br

    ResponderExcluir
  3. Adorei a ideia, Kris, texto mais do que pertinente.Não abriremos não nem por um segundo de defender nossa individualidade, nosso direito sobre nós mesmas. Está "reportagem" foi um insulto a cada mulher.Você arrasa!
    Bela, encapetada e do Bar!<3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Gente tem que abraçar a ideia né, se a vida te der limões faça uma limonada, ainda que você tenha gastrite. Tá foda de engolir, então vamos botar pra fora.

      Excluir
  4. adorei a postagem <3 vi vc me marcando, mas nem tive tempo de responder.
    cara algumas personagens eu só ouvi falar, mas outras eu já li a respeito.
    isso me revolta sabe? essa reportagem foi uma grande afronta a todas as mulheres e gostei da sua iniciativa de citar personagens maravilhosas :) Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  5. achei a postagem bem pertinente ao momento político. Das personagens citadas, conheço a maioria delas, e gosto, claro... mas disparado de longe a que mais gosto é Lisbeth [mas Morte tbm é amorzinho]

    ResponderExcluir
  6. Oi!!

    Sua postagem esclarece de diversas formas as manipulações da mídia na sociedade, e como ultimamente tenho visto indivíduos com grandes problemas de interpretação, e isso pode ser um retrato da falta de leitura ou mesmo de um ensino pautado no analfabetismo funcional ele mostra através de uma linguagem fácil o que se esconde em sociedade fascista e preconceituosa. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Olá Kris,
    sinceramente, quando entrei no face e twitter e vi tamanho atenção ao assunto, comecei a buscar mais sobre o assunto, porem não falavam exatamente de onde estava vindo, tanto que me senti um pouco perdida. Mas, ao ver a postagem sobre o que incentivou a todos falarem sobre, que entendi.
    Ridículo como a mídia faz para nos deixar por baixo, para nos menosprezar, nos fazer parecer um nada. Dando aos machistas outra razão para fazer o que fazem.
    Sim, temos que buscar nosso direito e exigi-lo. Assim como muitos fizeram e você fez com esta postagem. Temos o direito de escolha: Ser quem quisermos e não, o que uma medíocre sociedade, machista impõe.

    Beijos Ana Zuky
    http://www.meuinfinito.com.br/

    ResponderExcluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥