Resenha: O Pântano das Borboletas, de Federico Axat

01 abril 2015

Edição: 
Editora:Tordesilhas
ISBN:  9788584190140
Ano: 2014
Páginas: 416

SinopseO argentino Federico Axat é um desses casos não muito comuns de sucesso de crítica e público. Os críticos veem nele um escritor com perfeito domínio das palavras, que bebe na fonte de mestres como Mark Twain e Rudyard Kipling. Já os leitores não se cansam de louvar sua capacidade de contar histórias envolventes e deixá-los perplexos com as reviravoltas de seus enredos.
Não é diferente em O pântano das borboletas, primeiro romance do autor publicado no Brasil. O livro gira em torno de um trio carismático de amigos: os inseparáveis Sam Jackson, Billy Pompeo e a novata Miranda Matheson. Narrada por Sam, a história se desenrola em dois tempos: 1985, quando os protagonistas têm 12 anos de idade e vivem um verão inesquecível, o último de sua infância; e 2010, quando já estão quase chegando aos 40.
Nas tocantes páginas de abertura, ficamos sabendo que Sam perdeu a mãe ainda bebê, em um acidente de carro, e que o corpo dela jamais foi encontrado. A criança é então acolhida pelos Carroll, em cuja casa cresce em companhia de outros órfãos. A vida na pequena Carnival Falls é descrita com saborosa riqueza de detalhes: os pequenos e grandes segredos de seus moradores, as incursões de Sam e Billy pelo bosque que circunda a cidade, os passeios de bicicleta, a casa na árvore, a descoberta do primeiro amor, o enfrentamento do medo e da angústia de crescer e conquistar seu lugar no mundo. Como pano de fundo, acompanhamos os misteriosos desaparecimentos de pessoas e sua ligação com a rica família de Miranda, que retorna à cidade depois de uma prolongada ausência.
Federico Axat confere ao texto um forte clima de nostalgia. Com elegância e delicadeza, vai levantando todos os véus de seus personagens até o surpreendente final, quando encaixa a peça que dará um novo sentido à vida de Sam.




OIEEEEEE!!!
 Mais um livro lindo que a  Lilian Farias, do Blog Poesia na Alma mandou pra mim!!! Vem ver!!!!

Minhas opiniões sobre o livro


Apresentando uma boa dose de mistério, e alguns momentos de tensão, O Pântano das Borboletas lembra aqueles filmes da “Sessão da Tarde” que fizeram parte da infância das crianças dos anos 80 e 90, como os Goonies, Conta comigo e outros, que enfatizam a amizade, a aventura e a transição da infância à vida adulta.

Livro a la Sessão da Tarde, segura a pipoca!



Sam Jackson, de 12 anos, perdeu a mãe em um acidente de carro, quando ainda era bebê. O corpo de Christina Jackson desaparece misteriosamente, e a polícia da pequena Carnival Falls, uma cidadezinha de cerca de 20.000 habitantes, aficionada por alienígenas, dá o caso por encerrado, considerando que o corpo da enfermeira se projetou para fora do carro e se perdeu no rio próximo à estrada.


A criança é acolhida pelos amorosos, porém rígidos, Amanda e Randy Carroll em sua Granja, juntamente com outras treze crianças. Algumas destas, Sam considera como seus grandes amigos, outros como ferrenhos inimigos – como o brutamonte Orson, que deixa a dúvida no ar: seria ele apenas um grandalhão bruto e desajeitado, ou um sujeito realmente mal e dissimulado?

A vida de Sam não é fácil, mas a amizade de Billy Pompeo – um garoto engenhoso e criativo- oferece a Sam alguns momentos de refresco. Assim como o tempo que passa na casa dos idosos Collette e Joseph Meyer, que Sam considera como avós, ajudando a cuidar do advogado aposentado, que sofre de Alzheimer.

Com a chegada da linda e rica Miranda Matheson, Sam e Billy descobrem a paixão, mas também mistérios e aventuras muito maiores do que poderiam imaginar, e não serão apenas mistérios de criança no Pântano das Borboletas, onde o grupo se reúne. Cativante e inteligente, a menina eleva a amizade dos três a um status de Irmandade, selando com geleia o compromisso de estarem sempre prontos a defender um ao outro. 

O livro, ambientado em 1985, tem uma rápida passagem de tempo, para 2010, quando Sam – já com mais de 30 anos e com uma carreira bem sucedida – retorna a Carnival Falls e se reencontra com os amigos de infância, relembrando as aventuras vividas e encerrando alguns mistérios pendentes.

Ambientada numa cidade onde os habitantes – principalmente o estudioso Phillip Banks – são fissurados por alienígenas, a trama surpreende por se manter focada na realidade e pela maturidade das crianças, que optam por serem racionais, mesmo nos momentos fantásticos, onde as explicações só poderiam ser místicas.
O Giorgio ia colocar a culpa neles!



Leve e fácil, O Pântano das Borboletas é uma literatura agradável, e se você tem mais de 25 anos, certamente lhe trará recordações da sua infância – se não de aventuras que viveu, ao menos de filmes que assistiu. A escrita de Federico Axat nos prepara, ao final, uma delicada surpresa. Um pequeno e precioso detalhe, mas que ao ser descoberto, torna a história mais interessante, e também mais complicada.

Ótima leitura para os “Envelhescentes” ( 0/ ó eu aqui) que estão no meio de suas crises dos 20 e poucos (ou mais). Lembranças boas e até um chorinho básico te esperam nesta suave história de aventura, amizade e desenvolvimento. Doce e amarga, como a vida sempre é. 

6 comentários:

  1. eu fiquei a fim de ler por causa desse lance de fazer referências aos anos de minha infância... Creio que vou curtir a leitura, Mandy ^^
    Ele tem meio que um clima de Arquivo X??? O.o'

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim e não... Huhauhauhauhahu. Não posso explicar direito sem dar spoilers...

      Excluir
  2. Não entendi um detalhe no Livro, Sam na verdade era uma menina?
    Poderia me responder? To ficando louca pensando nisso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Era. O tempo td era uma menina, mas o autor não usou nenhum pronome, nenhuma marcação de gênero c ela o livro td. Ele teve esse cuidado, e é espetacular.

      Excluir
    2. Sim. Era. O tempo td era uma menina, mas o autor não usou nenhum pronome, nenhuma marcação de gênero c ela o livro td. Ele teve esse cuidado, e é espetacular.

      Excluir
    3. Oie desculpe a intromissão rs mas eu acabei de ler e estou encucaca com isso tbm. Em toda a história eu imagina os traços de sam sendo um menino, o seu jeito o seu amor por miranda.
      mas não tem uma parte que ele diz sobre Miranda andar com 2 meninos?
      mas o final agora faz sentindo já que ele diz que até as coisas mais simples como andar com as mãos dadas com a namorada era dificil.
      afinal ela era lesbica né?
      muito genial da parte do autor
      fiquei sem entender muito bem achei que ele era homem e decidiu virar mulher kkkk.

      Excluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥