Contextualizando - Utopia x Distopia

24 abril 2015

Não, essa não vai ser a luta do século. Hoje vamos fugir da sequência de resenhas no blog e vamos conhecer um pouco mais de dois gêneros literários bem famosos entre os leitores. A Utopia e a Distopia. Acho que quase todo mundo já ouviu falar deles e sabe que um antagoniza o outro, mas hoje vocês poderão entender mais disso em um contexto histórico.



Hoje você está presenciando o nascimento da nossa nova coluna: Contextualizando e espero que gostem.

Clique em Leia mais e enjoy


Utopia:  É uma palavra criada por Tomas More, é a junção dos radicais gregos "ου" equivalente a "Não" e "topos" ("τόπος") equivalente a "lugar", logo "Lugar que não existe". Esse termo foi criado para nomear a ilha, onde se passava a trama criada pelo autor, que abrigava a "Sociedade Perfeita". Essa, o próprio autor deixou claro (nota-se pelo título) encontra-se num patamar inalcançável, pois o pensamento humano sempre dará prioridade às questões de pouco valor moral.

Distopia: O Termo distopia foi usado a primeira vez em 1968 no discurso de John Stuart Mill e Gregg Webber no parlamento britânico. sendo essa palavra a junção dos radicais gregos "dys" ("δυσ-") equivalente a "Mau" e "topos" ("τόπος") equivalente a "lugar", logo "Lugar mau". Sendo assim a distopia a antítese da utopia ou uma utopia negativa.

“É provavelmente, demasiado elogioso chamar-lhes utópicos; deveriam em vez disso ser chamados dis-tópicos, ou caco-tópicos. O que é comumente chamado utopia é demasiado bom para ser praticável; mas o que eles parecem defender é demasiado mau para ser praticável."

Na época em que More lançou sua obra, essa acabou recebendo a interpretação por parte de alguns de  um projeto possível e na cabeça desses, a "Sociedade Ideal" só necessitaria de riqueza, o suficiente para ser construida. E assim atitudes econômicas absurdas foram tomadas, e justificadas apenas como danos colaterais em prol de um benefício maior a ser alcançado. E essa atitude, acabou causando danos catastróficos que são refletidos na nossa sociedade atual.

E isso fez com que outros pensadores, tentassem reformular a utopia, não combatendo o ideal de perfeição que More criou e sim combatendo os seus danos. Ou seja, "uma utopia, menos utópica" (licença poética), pois nela a sociedade tentaria melhorar suas condições, dentro de uma possibilidade. O que não seria algo tão inalcançável. E assim as obras utópicas que surgiram no século XX traziam em si, um duelo entre a perfeição e a realidade. O que por sua vez, fazia com que esses ideais utópicos se tornassem muito difíceis de serem mantidos. 

Foi aí onde começou a surgir o pensamento contrário, uma antítese da utopia, a Distopia, trazendo à tona obras literárias que mostravam cenários, onde as tentativas de construir uma sociedade utópica, tiveram consequências catastróficas e resultaram totalmente no oposto, o caos.

A Literatura distópica em sua base vem como uma crítica, tanto a opressão dos governantes, quanto a humanidade em si (que polui o meio ambiente, extermina animais, promove guerras, onde são usadas armas químicas e/ou nucleares, promovem genocídios e espalham a destruição). É comum algumas delas partirem de uma utopia, onde os problemas atuais seguiram camuflados por uma suposta perfeição e de uma hora pra outra ressurgem com uma força alarmante. Enquanto outras surgem após alguma crise que assolou o mundo, devido a própria ação do homem (um vírus, uma explosão, fenômeno naturais, polução, etc). Existe também algumas que mescla tudo isso e outras que partem de uma ideia diferente, mas sempre resultando em um futuro caótico. O que faz com que o gênero distopia  seja dividido em muitos subgêneros, algumas obras se encaixam em várias vertentes distópicas ao mesmo tempo. 

São exemplos de distopias em :  


Filmes



Laranja Mecânica livro de Anthony Burguess, imortalizado no cinema por Stanley Kubrick - Um futuro indeterminado, onde a predisposição a violência é considerada um ultraje a evolução intelectual e o governo usa de métodos extremos de contenção psicológica na esperança de conter essa característica primitiva.

Essa obra encaixa-se no subgênero de distopia totalitária: A sociedade é controlada de perto pelo governo, a população é constantemente monitorada e qualquer um que ouse questionar ou se revoltar é drasticamente punido.


 
Matrix - 1999 - Irmãos Wachowski
Um futuro não tão distante, a humanidade foi subjugada por uma raça desconhecida e aprisionada em uma ilusão coletiva de um mundo normal "A Matrix", enquanto, na verdade estão presos em cápsulas e são usados como geradores de energia, numa espécie de "plantação" de seres humanos. Um jovem é recrutado por um grupo de dissidentes, que acreditam que ele é o escolhido, capaz de derrotar a Matrix e conduzir a humanidade de volta a realidade.

Essa obra encaixa-se no subgênero de distopia Cyberpunk: A tecnologia evoluiu rapidamente, perdendo o controle e causando o colapso ambiental. O mundo é dominado pela tecnologia e a humanidade se torna subjugada e obsoleta. A principal característica das distopias cyberpunks é a união entre a tecnologia, o controle e o caos.

Entre outros são filmes distópicos: Johnny Mnemonic, Blade Runner, Clube da Luta, Eu sou a lenda, Minority Report, V de vingança, Sin City, Watchman, Substitutos, O Preço do amanhã, Metropolis, Gattaca, etc.

Livros

A lista de livros com temática distópica é imensa por isso vou listar aqui algumas capas representando as distopias clássicas, as distopias modernas e as distopias nacionais.

Distopias Clássicas




Distopias Modernas




Distopias Nacionais




A Postagem ficou imensa, mais é porque esse assunto dá pano pra manga, espero que tenham curtido.
Não deixem de deixar nos comentários se vocês curtiram a nova coluna, quais as distopias que vocês já leram, ou os filmes que viram, é sempre um prazer interagir com vocês.
Beijos.

14 comentários:

  1. Ainda sou nova nesse ramo de Distopias, Jogos Vorazes estou começando a ler e Divergente já está na minha lista. E outro livro que quero muito ler é Terras Metálicas, não sabia que seria uma distopia, bom saber, agora quero ainda mais ler haha
    Já sabia a diferença entre as duas, e achei muito interessante sua explicação, adorei saber quais são os demais exemplos haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ly, olha te confesso que eu também não tinha o hábito de ler distopias, mas depois que comecei me apaixonei. Adoro a maneira que a história é contada e como a crítica em relação a isso é feita, nos levando a refletir. Terras Metálicas é uma distopia bem legal, você vai amar.
      Obrigada pela visita, beijos

      Excluir
  2. Olá!!!!

    adorei o pots, vivemos atualmente na febre das distopias, é um gênero que gosto muito mas, claro tenho minhas ressalvas. Desde o ano passado tenho lido algumas das clássicas e tenho me apaixonado mais ainda.
    beijão*...*

    http://notinhasderodape.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Thais.
      E o mais interessante é que observando pelo contexto histórico podemos facilmente compreender o porque desse febre distópica. As distopias em si representam o descontentamento com a situação atual, é uma crítica aos governos e ao mesmo tempo um grito de socorro. Logo, estamos vivendo numa época de descontentamento, onde as pessoas anseiam por mudança e acabam a buscando entre outras maneiras na literatura. Alguns escrevendo e outro lendo.
      Por isso eu acredito que esteja acontecendo, toda essa procura. O que é bom, pois esse gênero é bem crítico e leva as pessoas a refletirem.
      Obrigada pela visita, beijos

      Excluir
  3. O post ficou bem legal! Pra quem não sabia diferenciar, acho que fica bem claro!
    Falamos em sala sobre o "admirável mundo novo", ja vi matrix e trechos do laranja mecânica.
    E dos livros, eu queria ler esses modernos, haha. Mas só pude ver os filmes >_<
    Hehe, beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mari,
      Então lembro que quando comecei a caminhar nessa blogosfera literária da vida, eu pensava que distopia era outra coisa, pensava que eram só livros passados em cenários pós apocalípticos, onde haviam ocorrido (ou ainda estavam ocorrendo) guerras e tal. E me surpreendi quando vi que Laranja mecânica era uma distopia (olha como eu era poia) então fui pesquisar mais sobre e hoje sou uma gatinha informada. kkkkk compartilhando.
      Obrigada, pela visita, beijos

      Excluir
  4. Adorei a coluna *--*
    sou apaixonada por distopias. Das clássicas que vc expôs, só não li ainda Neuromancer, mas amo as outras 3. <3
    Das atuais, pretendo ler Starters e Jogos Vorazes, acho que tu ia curtir a trilogia Liberta-me tbm, é bem nessa vibe de totalitarismo e rebelião.
    Bom citar os filmes clássicos, essa cena de Laranja mecânica me fez lembrar de AMH, onde uma paciente sofre o mesmo tipo de tratamento com o olho aberto assim, referência clara à LM heheh
    Matrix é apaixonante, e dos outros citados, tem alguns que ainda não vi, como Minority Report e Blade Runner, mas quero ver ainda heheheh

    bjs, Kris. Começou a coluna com um assunto FODA <3

    ResponderExcluir
  5. Achei excelente sua publicação, preciso criar a amor por esse gênero...... já tentei tentei e nada, acho tudo muito chato...preciso de indicações para meu amo crescer porque esses livros parecem ótimos!
    O laranja mecânica assisti com meu noivo a muito tempo e achei bacana porém nada que me fizesse querer ler e ler e ler.. se tiver mais dicas desses livros e quiser me passar eu ficaria feliz, bjus

    ResponderExcluir
  6. Essa publicação é muito informativa, sério. Muita gente ainda não conhece ou entende o que classifica um livro uma distopia e às vezes confundem com fantasia etc. Achei muito legal as referencias clássicas que você deu, ainda não li Feios, nem Starters, apesar de estarem na minha estante há um tempo.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá :) "Distopia" tornou-se um dos meus gêneros literários favoritos, as obras possuem assuntos instigantes e diferentes, fazem os leitores refletirem sobre a sociedade/mundo.
    Gostei muitíssimo de ler esse seu texto, achei super informativo e interessante, descobri as diferenças entre Utopia e Distopia. :) obrigada! :3 Beijão linda! <3
    Blog: http://my-stories-wonderful-books.blogspot.com.br/
    Página: https://www.facebook.com/BlogWonderfulBooks

    ResponderExcluir
  8. Ooláá
    Foi uma ótima ideia fazer o post explicando os dois termos, eu sabia mais ou menos e agora sei cada uma de verdade, adorei os exemplos usados ;)
    Ótimo post.

    http://realityofbooks.blogspot.com.br/
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Kris, tudo bem?
    Parabéns pelo post, ficou muito bom, sobretudo porque muitas pessoas tem dúvidas a respeito, eu inclusive tinha algumas e muita preguiça de pesquisar.
    Eu gosto muito de distopias, a última que li foi Legend, da Marie Lu que na minha opinião é uma das melhores (modernas).
    Bjs

    http://a-libri.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    Adorei o post e parabéns pela nova coluna. A ideia de utopia nasceu quase junto com o capitalismo, então faz todo sentido esse foco econômico, e obviamente, descreve uma sociedade insustentável, por não considerar outras variáveis.
    Eu adoro distopias, tanto em livros quanto em filmes, e pode me chamar de pessimista, mas vejo muitas dessas obras como algo possível, que tem chances de acontecer, caso a humanidade não reveja muitos conceitos, principalmente em relação ao desgaste da natureza.
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Eu adoro distopias, flor! E achei o seu post muito completo. Li várias definições desse gênero na literatura, mas nenhum que realmente mencionasse as distopias clássicas ou nacionais. Adorei! E estou louca pelo livro Sombras do Medo. <333

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥