Resenha: Álvares de Azevedo - Melhores Poemas, Seleção de Antônio Cândido de Mello e Souza

25 fevereiro 2015

Edição: 
Editora:Global
ISBN: 8526000225
Ano: 2003
Páginas: 208

Sinopse: Àlvares de Azevedo foi um dos poetas mais lidos e queridos do Brasil, enquanto estiveram em voga as cadências melodiosas, o tom sentimental ou satânico e o entrechoque abrupto das paixões, peculiares ao Romantismo.
Minhas opiniões sobre o livro:
Olá crianças!
Resolvi juntar a fome com a vontade de comer. 
Já que ultimamente ando tendo vontade de me enforcar no pé de couve, resolvi esta semana perder todo o pudor e mandar bala num Álvares de Azevedo Básico. 
Por ter morrido extremamente cedo, com apenas vinte anos, a obra de Álvares de Azevedo é pequena. Os trabalhos reunidos neste livro são: Lira dos Vinte Anos , O Poema do Frade, O Conde Lopo, Macário (uma peça teatral) e algumas poesias diversas.Infelizmente não há sequer um capítulo de Noites na Taverna, mas eu aceito isso (And my heart is still open).
Meu interesse por este livro vem muito do fato de Macário (apenas seu primeiro ato, mas ainda assim é maravilhoso) fazer parte desta compilação, pois eu já possuía a Lira dos Vinte Anos, e grande parte das poesias deste livro vêm dela. 
Devo confessar que a prosa do romantismo (Moreninha, Escrava Isaura, Senhora, etc) nunca me interessaram. Li alguns por obrigação curricular e de muita má vontade cheguei até o final, a fim de realizar meus trabalhos escolares. Em contrapartida, o ultra- romantismo da poesia de Azevedo me cativou desde o princípio. 
Não consigo entender o porquê, mas mesmo achando quase brega, sou apaixonada por este exagero, estes amores eternos (que duram até o próximo) esse spleen, essa bebedeira... mas apenas em verso.
Lembro que na adolescência, escrevia  "Ai Jesus!" (não consta dessa compilação, mas dá uma olhada) em tudo que era canto, na época meu favorito. 
A um certo ponto, o mais querido virou  "Se eu morresse Amanhã", e também o mais triste. Pensava a todo tempo na família de Álvares de Azevedo. Se realmente foi a irmã que lhe fechou os olhos, e a mãe morrendo de saudades. Era muito estranho pensar que o cara morreu tão jovem, de complicações por uma queda de cavalo que agravaram sua tuberculose, e que ele escrevia tanto sobre a morte. 
Depois, virou "Quando, à noite, no leito perfumado." Fui ficando mais e mais brega conforme o tempo passava, e também mais fã de Alvares de Azevedo (Embora meu favorito seja o neo- romântico e simbolista  Alphonsus de Guimaraens, com o imbatível "Ismália")
Após ler Macário, entretanto, foi que me interessei mais ainda pela obra do autor.
O texto em que Macário é levado por Satã a conhecer a devassidão de uma cidade, e depois a tavernas e orgias, tudo tão marcado por uma atmosfera sombria e a busca pela perfeição e pureza do amor, que culmina em morte me cativou muito, também pelo seu toque de surrealismo, sendo que em sua primeira parte ainda nos parece um sonho ruim, e mesmo Macário tenta convencer a si mesmo disso,
A qualidade de Álvares de Azevedo é, tanto em verso quanto nesta prosa, escrita como roteiro de teatro. uma coisa que me impressiona. Ele estava apenas iniciando, e era extremamente jovem. Adoraria que tivéssemos muito mais material dele, sou completamente encantada.
É isso, queridos. Sei que muitos de vocês não curtem esse papo macabro, mas foquem na poesia, no romantismo... Vocês têm algum autor preferido deste movimento? Falem comigooooo!!!


32 comentários:

  1. Olá, Amanda
    Não conhecia esse livro em questão, mas já ouvi falar do autor.
    De cabeça, não me lembro de ter ouvido falar de algo desse movimento...
    Não sei se faz meu estilo.
    Uma sugestão aqui : separa cada parágrafo um do outro. Deixar uma linha de espaço em branco. Pelo menos pra mim, fica mais gostoso de ler.
    Crítica construtiva, ta?
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por comentar e pela crítica construtiva. Eu particularmente não gosto dessa diagramação. Sinto que fica "quebrado", sabe? Cada um com um gosto...Rsrsrsrrs

      Excluir
  2. Alvares de Azevedo foi o primeiro autor que conheci a biografia. Adorei. Tenho boas recordações da época em que li a biografia. Também foi o poeta que me fez desmamar de Mario quintana.


    http://poesianaalmaliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Huahauhauhahua. Ri do seu desmame. De Quintana a Álvares de Azevedo... Menina, que mudança radical. Eu adoro os dois, mas o Álvares de Azevedo foi o primeiro que eu realmente li (que não esudei só um poema ou dois na escola, sabe?) depois foi Charles Baudelaire...

      Excluir
  3. Oie, Amanda!
    Nunca dei muita atenção ao Álvares, nem na época do colégio. Não li suas obras como exigia o curriculo escolar, mas conhecia seu estilo por causa das aulas de literatura brasileira. A geração dele no romantismo foi a que mais me agradou, isso é fato. Agora que você falou nele, me senti curiosa e vou ver se leio alguma de suas obras.
    Com carinho,
    Celly.

    http://melivrandoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celly, dá uma olhada sim!!! Eu adoro, sou meio suspeita pra falar, mas acho que você vai gostar, se já gosta dessa geração ultra-romântica. Beijos.

      Excluir
  4. Oi Amanda.
    Eu acho que Alvares de Azevedo é um grande poeta.
    Mas tentei ler Lira dos Vinte Anos e não consegui terminar. =/
    Acho que já sou o contrário de você, eu sempre amei o romantismo, e li os livros Moreninha, Escrava Isaura, Inocência e outros, não por obrigação pois a escola não exigia essas leituras, li porque eu gostava.
    Mas fico feliz que você goste desse tipo de leitura. Parece que hoje em dia são poucos que gostam de poesias e clássicos.

    Beijos
    Carolina
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol (pode chamar de Carol???) eu acho que poesia é mais difícil mesmo, ainda mais assim tão ultra- romântica e exagerada como a do Azevedo. Precisa de momento timing. Não dá pra apreciar completamente uma poesia dessa na beira da piscina ou na espera do dentista, igual fazemos com a maioria dos livros. Tem que estar naquela vibe... sei lá, eu sou assim. Por isso são raros meus momentos de poesia...

      Excluir
  5. Amo Alvares, é um dos meus poetas favoritos, tenho a lira dos vinte anos em casa, adoro se eu morresse amanhã, embora ache meio triste.

    http://www.eucurtoliteratura.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Tainan, eu acho "Se eu morresse amanhã" uma coisa de outro mundo, ainda mais no contexto da curta vida dele. Lindo e perturbador.

      Excluir
  6. Nunca dei muita atenção a esse autor. Lembro que, na escola, nunca gostei de estudar sobre ele, nem sobre seus trabalhos. Nunca fui muito de poesia, especialmente as "macabras".

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa Nina, que pena. Mas eu entendo, não é todo mundo que curte essas coisas. Mas dá uma chance pra poesia, poxa.... Beijos.

      Excluir
  7. Olá Querida, Também confesso que li apenas o necessário estipulado por currículo, mas gostei muito da sua exposição da obra e me fez sentir vontade de retomar e tentar percebe-la hoje com outro olhar. Com certeza vou aproveitar muito mais..bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Lunna, eu acho que se você se interessou pela resenha é capaz que goste mesmo. Às vezes a gente pega uma implicância com um autor porque foi aquela professora chata da oitava série B que mandou a gente ler no fim de semana prolongado pra apresentar uma dissertação na frente da classe valendo um terço da média final... Hauhauhahuhau. Tá, exagerei na ambientação, mas você entendeu.

      Excluir
  8. Álvares é incrível. Adoro a melancolia presente em seus versos...
    <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho maravilhoso também, Val (nem deu pra perceber, né? HUAHAUHAUHAUHAUHU)

      Excluir
  9. Olaa
    Nao lembro de ter lido nada do autor e nunca ouvi falar do livro mas parece ser interessante, mesmo que nao faça meu estilo, fiquei curiosa hahha
    Ótima resenha.

    Beijos
    Reality of Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Catharina. Procure conhecê-lo, é ótimo!

      Excluir
  10. Hey.
    Adoro essa coleção de Melhores Poemas. Tenho alguns, mas nenhum é do Álvares. Achei muito legal o quanto a obra te envolveu. Me deu vontade de ler.

    doisdedos-deprosa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabby, quais você tem???? Me contaaaaaaghhh!
      Menina, eu sou muito fã da obra dele, mergulho de cabeça mesmo! Leia sim, se não gostar pelo menos conheceu o autor!!!

      Excluir
  11. Olá, Amanda.

    Me senti um peixe fora d'água lendo seu post. Não conheço o autor e como morreu novo! Nunca fui de ler poemas, sabe. Mas você conseguiu me deixar curiosa com Álvares de Azevedo. Irei procurar algo dele para ler.

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR // Participe: Sorteio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paula, que bom que se interessou. Eu imaginei mesmo que muita gente não conheceria, por isso linkei as poesias, e também dei uma explicadinha de leve nas condições da morte dele. Ninguém é obrigado, né? HUAHUHAUHAUAHU

      Excluir
  12. Oii, tudo bem?
    Não conhecia a obra de Álvares de Azevedo, preciso conhecer...
    Também não sabia das circunstancias de sua morte prematura...
    Bjs

    http://a-libri.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é menina, muito cedo. Imagino o que ele poderia ter criado um pouco mais amadurecido. Nunca saberemos, é uma pena.

      Excluir
  13. Oi... não é o tipo de leitura que eu gosto hahaha *novidade* mas por ser um livro de leitura meio que obrigatória eu já tive a oportunidade de ler e confesso que eu não gostei não O.O hahaha nao gosto muito de ler poesias e o estilo dele nao se engloba de forma alguma no meu kk

    Beeeeeijos
    http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Huhauahuahau. Acontece. Nem todo mundo curte essa atmosfera macabra, é completamente normal!

      Excluir
  14. Não conhecia este livro, mas o autor é incrível. Não tenho curiosidade de ler no momento, mas quem sabe quando eu estiver no momento.
    Fico feliz que tenha gostado da obra, Amanda.
    Beijos, sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irisvanda, tem que estar no momento mesmo. Para mim poesia é assim, tem que estar aberto a sentir, não adianta nada só passar os olhos e dizer que leu, tem que sentir aquilo tudo. Espero que quando o momento chegar você goste bastante. Beijos.

      Excluir
  15. Oi Amanda! As poesias apesar de me agradarem não tem muito espaço na minha estante ultimamente. Confesso que já gostei muito mais e pretendo voltar a lê-las :)
    Gostei muito da sua resenha e é realmente trágico uma morte tão prematura. Mas acho que isso acaba por influenciar ainda mais os leitores não é ?! Abraços e até mais!
    www.dezenoveprimaveras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Carolina. Como eu disse no texto, a morte dele me faz refletir um pouco na sua obra, pensar em tudo com mais profundidade. Eu também não sou nenhuma leitora assídua de poesia, mas ela tem seus momentos na minha vida. Abraços.

      Excluir
  16. Ótima resenha. Ultimamente estão falando muito desse autor na escola, só que eu não gosto muito de ler esse tipos de livros, não sei porque rsrrs. Mas eu vou tentar mudar meu conceito, porque fiquei com vontade de ler esse livro.
    Um beijo

    blogthayseferreira.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Thayse. Poxa, que bom que você ficou com vontade de ler. Eu sou meio suspeita, pq sou tiete, mas acho que com o olhar certo você consegue enxergar a beleza dos textos de Alvares de Azevedo, e quem sabe gostar de lê-los também. Beijo.

      Excluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥