Resenha - As Virgens Suicidas de Jeffrey Eugenides

30 julho 2014

Título: As Virgens Suicidas
Edição: 1
Editora: Companhia das Letras
ISBN: 9788535922196
Ano: 2013
Páginas: 232
Tradutor: Daniel Pellizzari
Sinopse:
O cenário é o de um típico subúrbio americano dos anos 70. Mas são as forças de Eros e Thanatos que atuam em As virgens suicidas, envolvendo o leitor numa história original, narrada por uma espécie de coro semelhante ao das tragédias gregas.

Durante uma festa em sua casa, Cecilia Lisbon, uma garota de 13 anos se joga de uma janela do segundo andar sobre a cerca de ferro. Como uma maldição, num período de um ano, todas as cinco irmãs Lisbon cometem suicídio. Comprimidos, enforcamento, todas as formas são válidas para que, uma a uma, Lux (14), Bonnie (15), Mary (16) e Therese (17) encontrem seu caminho para a morte.

A tragédia marca tanto a rotina da vida local que uma investigação é levada a cabo pelos garotos da vizinhança. Passados 20 anos, eles reúnem um mórbido acervo de evidências, que vão desde entrevistas com parentes até diários e boletins de química. Mas os detetives amadores, determinados a descobrir qual a razão daquelas mortes, lutam para achar as peças deste quebra-cabeça que é a alma feminina.

Minha Opinião Sobre O Livro:

Esse livro é totalmente melancólico e como eu tenho uma queda pela melancolia, achei-o simplesmente estonteante e perturbador. O enredo se desenvolve nos anos 70 e o livro é narrado pelos rapazes que outrora foram vizinhos e colegas de escola das irmãs Lisbon. Cinco garotas lindas e que atraem a atenção desses garotos por causa da Aura de mistério que as envolve, devido a repressão que elas recebem em casa.

Esses rapazes mantém durante muito tempo tanto interesse pelas irmãs que chegam a beirar uma obsessão. Porém essa obsessão deles se transfere também para o leitor. Esse questionamento de "Porque elas fizeram aquilo?" se reflete em nós. E nisso eles vão descrevendo nas linhas do livro de forma primorosa todos os aspectos e detalhes da vida daquelas meninas, tirando as suas conclusões e nos dando meio de criar as nossas. A história tem momentos perturbadores, onde dá para notar através da descrição a tamanha angustia e  desprazer que aquelas meninas sentem. Você se vê tão emaranhado na história, que consegue imaginar os mínimos detalhes, as vozes, os cheiros, você se apega as garotas e sofre quando elas partem sem deixar uma explicação.

Essa é de fato a obra prima de Jeffrey Eugenides, pois fazer um livro de mistério tão bom, sem manter o elemento surpresa, não é para qualquer um.

Os capítulos do livro são enormes e a leitura é meio que perturbadora, acho que é um livro impossível de ler e não acabar se envolvendo emocionalmente. É uma leitura impactante e que afeta um pouco o leitor. Pode render uma ressaca literária, mas vale pena!





O Trailler do filme As Virgens Suicidas de 1999
Dirigido por Sophia Coppola






2 comentários:

  1. O enredo lembrou vagamente Os 13 porquês, a história de uma garota que se suicida e deixa 13 fitas de áudios para as pessoas que ela ''culpa'' pelo seu suicídio, parece que virou filme.. rsrsrs as histórias são diferentes só o suicídio é a conexão. Ei não sei se já ouviram falar da Canção do suicídio. Gloomy Sunday cantada por Billie Holiday e supostamente a letra foi retirada de uma carta suicida e muita gente se matou ouvindo essa música, Uma história bem bizarra.

    ResponderExcluir
  2. eu sou doida pra ver o filme e quando soube que tinha livro fiquei ainda mais interessada, mas nunca tive chance de encontrar a obra. =/
    qnd puder, lerei.
    bjs.
    http://torporniilista.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Seja Bem-Vindo,
Interaja conosco, é um prazer poder saber a sua opinião.


Deixe seu link que retribuiremos a visita.
Não serão aceitos comentários ofensivos ou de span.

Volte sempre ♥